Quote da Semana

"Se você vai tentar, vá até o fim.
Caso contrário, nem comece."

- Charles Bukowski.

Resenha: O grande Gatsby por Scott Fitzgerald

"E assim avançamos, botes contra a corrente, impelidos incessantemente de volta ao passado." - pág.241

'O grande Gatsby' é o romance americano definitivo sobre os anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial. O texto de Fitzgerald narra a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece - Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.

Quando se gosta muito de um livro, a tarefa de resenhá-lo torna-se muitíssimo árdua. Eu amei todas as palavras de O grande Gatsby. Foi um amor platônico logo nas primeiras frases;

" - Sempre que tiver vontade de criticar alguém - ele disse -, lembre-se que ninguém teve as oportunidades que você teve." pág.65

e, no decorrer das páginas, se transformou no amor celestial de Platão.

Existem muitos livros com boas histórias. Existem, também, muitos escritores com boas narrativas. Há os que conseguem fazer boas frases de impacto, marcantes. Também existem alguns, quem possuem uma qualidade mais rara, que conseguem descrever a alma e a personalidade humana nas suas mais diversas formas. Em O grande Gatsby, Fitzgerald administra com maestria um pacote completo dessas boas características.

Não pretendo me ater em resumir a história da obra - o resumo introdutório faz isso de uma boa forma. Só quero ser capaz de motivar alguém a ler esse livro maravilhoso.

Gatsby é um personagem extraordinário. Mesmo influênciado pelo determinismo, ele nunca deixa de ser essencialmente bom. Um romântico e idealista, capaz de lutar cegamente - e quase de modo infatil - por seu sonho. Daisy, que é a personificação de seu sonho, leva Gatsby a construir uma vida e um novo "eu", somente para conquistá-la. Assim como todos nós, ele controí mascarás que são capazes até mesmo de convence-lo, mas que não são capazes de perdurar.

"Ele sorriu de forma compreensiva - muito mais que compreensiva. Era um daqueles raros sorrisos com o ar de eterno consolo, do tipo que você só encontra umas quatro ou cinco vezes na vida. Parecia encarar a eternidade do mundo inteiro por um instante, e então se concentrava em você com uma irresistível tendência a seu favor. Parecia compreendê-lo até o o ponto em que você desejava ser compreendido, confiar o tanto que você gostaria de confiar em si mesmo, e assegurá-lo de haver transmitido exatamente a impressão que, em seu melhor momento, você desejaria passar." pág. 111

Nick, primo de Daisy, vai morar ao lado de Gatsby e consegue enxergá-lo como ele realmente é. E, por isso, ele resolve narrar essa história.

Durante o livro, é possível notar o quão previsíveis e - mesmo que seja contraditório - imprevisíveis são os seres humanos, como a vida não é justa.

Quando sou cativada por uma história, como fui por essa, sinto necessidade de ler um pouco sobre quem a escreveu.
Fitzgerald viveu nos anos perdidos, conviveu com vários intelectuais e artistas e amou, até o fim de seus dias, Zelda - uma mulher complicadíssima. É possível encontrar muito de sua experiência particular nesse livro. Até agora me pergunto quantas metáforas para sua vida deixei passar nesse livro.

Vale muito conhecer um pouco mais do autor e ler essa obra magnífica. Sei que muitos leitores não gostam muito de clássicos. Contudo, mesmo assim indico a leitura desse. Tenho certeza que ninguém terá dificuldades para ser físgado por essa leitura.

Como última consideração, eu gostaria muito de ter escrito O grande Gatsby. Torço para que ele perdure por incontáveis gerações.

Você pode comparar os preços do livro aqui.

 " Todo mundo gosta de se atribuir ao menos uma das virtudes cardinais, e esta é a minha: sou uma das pessoas mais honestas desse mundo." pag.122

" É invariavelmente triste ver com novos olhos situações às quais você já havia despendido esforços para se ajustar." pág.166

" Eu estava ao mesmo tempo dentro e fora, encantado e repelido pela variedade inesgotável da vida."

2 comentários

  1. Adorei sua resenha!! Me deixou com vontade de ler ele PRA ONTEMMMMM, ainda bem que já comprei hahaha

    Beijos
    Nati

    www.meninadelivro.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, leia! Depois me conta o que achou.

      Excluir

Oi, pessoal! Obrigado por comentar e dividir suas opinioẽs, só tomem cuidado com comentários ofensivos.